27 outubro, 2018

Lançamento do livro Lábios Vermelhos, na cidade de Pau dos Ferros, RN.













ELE


Imagem: Daniel Araújo




Sabe há quanto tempo não escrevo? Muitos e muitos dias, porém, hoje lembrei-me de você e a saudade me fez rabiscar essas palavras melosas. Eu sinto a sua falta. Sinto falta de nós juntos. Você sempre foi o único homem que me amou. O único amigo que esteve ao meu lado em todas as horas e situações. É você, até hoje, quem me abriga e me dá colo quando algum idiota parte o meu coração ao meio com um machado de ilusões. É você também quem rouba a minha fala e se pergunta o porquê de mais uma vez o romance não ter dado certo, e; em seguida, respira fundo e sopra aos meus ouvidos: “Você é maravilhosa. Eu te amo. Se a vida fosse metódica você seria a única mulher por quem eu me apaixonaria, para sempre”. 
Hoje, encontrei a foto daquela madrugada na qual você gritou, em frente ao meu portão, que me amava. Você estava bêbado e me fez prometer que eu nunca sairia da sua vida (você sabe que eu tenho a tendência de abandonar as pessoas, é uma autodefesa). Abraçamo-nos e rimos de toda aquela situação e da nossa história. O meu maior desejo na vida era que você se declarasse para mim; na primeira vez, éramos adolescentes e você também estava no meu portão.  Dessa vez, somos adultos, você namora e ama outra pessoa, enquanto eu estou apaixonada por outro.
Nesses doze anos de convivência, o seu amor, por muitas vezes, me permitiu sobreviver em meio ao grande vazio que me preenche, vez ou outra. Você afirma que esse vazio é coisa de escritora, de gente culta e profunda. Eu rebato e digo que é sentimento de louco. Você não discorda, pois sabe que eu sou, realmente, muito louca. Eu sei, sei que a minha loucura te assusta às vezes, principalmente quando eu saio sozinha na “cidade grande” em busca de amor e você me deixa dezenas de mensagens perguntando a minha localização e se estou bem. Quando volto, sem esperança, você me recebe sem críticas e isso me abranda o peito.
Você foi a grande inspiração para a construção do mocinho do meu romance, pois você possui o coração tão grande e cheio de bondade que só a sua essência poderia dar vida a Guilherme Almeida. Atualmente, apesar de nós estarmos distantes, eu sempre o guardarei no meu coração, e sei que você também fará isso. Costumo dizer que o nosso vínculo emocional não morreu, mas transformou-se; agora é um sentimento inocente e puro, como amor de irmãos. Você sempre será o meu herói.