18 março, 2016

Ela é o amor.



Sim, eu a amo. A amo porque ela é a menina que não acredita que uma simples estrela cadente consiga realizar seus desejos, mas um avião sim. Ela também acredita que um dia seu príncipe encantado vai chegar em um belo cavalo branco e carregá-la para viverem em um castelo. Ela procura um amor. Ela busca constantemente a felicidade e não vai parar até consegui-la em sua mais bruta forma. Ela sonha com o dia em que será uma estrela. Ela é ingênua a ponto de acreditar que talvez isso tudo seja apenas um sonho irrealizável. Mas a felicidade que ela tanto procura eu já sei onde encontrar. Só ela não percebe que quando anda exala alegria, que o avião é ela, que príncipes não andam mais a cavalo e que ela já é uma estrela. Quanto ao amor, não conseguiu apenas um. Eu a amo. Eles ali a amam. Aquela ali também. Os que estão do seu lado a amam. Ela conquista todos os territórios que quiser, porque é Batalha.
Sidileide, as veredas de meu Grande Sertão. Uma Capitu, “criatura mui particular, mais mulher do que eu homem”. São de Sidy os olhos de cigana oblíqua. “Você já reparou nos olhos dela? Pois apesar deles, poderia passar, se não fosse a vaidade”. “Conhecia as regras do escrever, sem suspeitar as do amar”. Sidy é a ressaca dos mares, a sereia do sul, a mulher em milhares, o feminino com arte. É a mulher que se você não conhece precipita-se ao achar as demais atraentes.
“Ela que sempre parece tão feliz no meio da multidão. Cujos olhos podem ser tão secretos e tão orgulhosos. Ninguém pode vê-los quando eles choram. Ela pode ser a razão pela qual sobrevivo. O porquê e o motivo de eu estar vivo. A única que eu vou cuidar prontamente ao longo dos anos durante as adversidades. Eu vou pegar as risadas e as lágrimas dela e farei delas todas as minhas lembranças”.
É de Sidileide a declaração que nunca escrevi para uma garota. A paixão que talvez eu nunca tenha sentido por mulher alguma. A atração marcante de uma vida que ainda nem vivi. São os olhos que vou guardar pra sempre na minha lembrança. A paixão de adolescente que nunca irá passar. A mulher-modelo pela qual tive meus maiores desejos. Ela pode ser o rosto que eu não posso esquecer. A diva por quem jamais me declararei de novo. 
Você é romance que poderia ter acontecido caso a vida fosse metódica.

De Ronaldo Santos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário