07 setembro, 2015

O Curioso caso dos idiotas





Houve um tempo que eu
Pensei que você fazia tudo certo
Sem mentiras, sem erros
Garoto, eu deveria estar fora de mim
Então, quando penso que houve uma época em que quase te amei
Você se mostrou um idiota e vi quem você era de verdade ♪♩♪♩

Certa vez, eu tive um namorado que disse que eu nunca chegaria a lugar algum com a minha escrita medíocre, que seria muito melhor eu ir lavar uma pia de louça suja do que estar escrevendo. Quando venci o primeiro concurso literário que participei, a primeira frase da minha biografia no livro foi “Você nunca vai chegar a lugar nenhum com essa sua escrita medíocre”.

Continuei escrevendo, nunca parei por causa dele ou por causa de qualquer outra pessoa. E fui crescendo no meio literário, na vida profissional e emocional e ele ... ah, ele foi ficando amargo e coisado, um coiso sem alma e sem amor.

Mas daí chegou outro, quase pior, por mim ele nunca teve nenhum sentimento, nenhum plano; a única coisa que ele teve por mim foi o prazer cruel de me usar e me sugar emocionalmente. Ele sugou a minha vitalidade e me abandonou como se eu fosse uma coisinha qualquer, um objeto facilmente descartável. "- Fiz você pular no nada e agora quero é olhar você toda quebrada". E quebrei, e como doeu a queda. Tudo bem, eu me consertei, demorou um tempo, mas remendei os pedacinhos que quebraram. O tempo me fez conhecer pessoas boas, construí novas amizades, li livros, escrevi, assisti filmes, sorri, cantei e dancei. E ele? ah, ele continua sem nada, sem amor, sem afeto e com um baita medo de não ser ninguém na vida. Coitadinho...

O próximo... ah, esse parecia ser diferente de todos. Mas, nós mulheres sempre dizemos isso “Ele é diferente dos outros” e aos meus olhos ele era, era sim! E é desse que algumas vezes sinto uma baita saudade, mas que logo passa, pois,  é perigoso demais querer ter por perto quem deixou de acrescentar algo bom em sua vida há muito tempo. Você poderia ter sido o príncipe, mas escolheu ser só mais um sapo bonito por fora e feio por dentro. Mais um sapo o qual eu beijei e me envenenou com a sua saliva visceral.

De você eu esperei apenas sinceridade, nada mais...

Sobre os outros dois não vou falar, deveria, contudo cansei de relembrar decepções, decapitações “almaticas”.

Vocês foram terrivelmente cruéis. Vocês foram e continuaram sendo o drama dentro de mim, a próxima seta a direita que leva para a morte, o copo de água sem gelo em uma tarde quente, o assento vazio ao meu lado, o hematoma do lado esquerdo do meu peito.  

Vocês nunca serão, a mão que levanta, o abraço que esquenta, a voz que acalma, a brisa suave em uma tarde quente de verão, o beijo que tranquiliza a alma e o coração. Vocês nunca serão o amor. Graças a Deus vocês não foram o amor.

E para vocês, eu sempre serei a melhor coisa que vocês não tiveram.

P.S - Eu lavei sim aquela pia de louça suja, depois fui escrever sobre você ;)




Nenhum comentário:

Postar um comentário