12 agosto, 2015

6º Avenida


Nós mantemos este amor numa fotografia
Nós fizemos estas memórias para nós mesmos
Onde nossos olhos nunca fecham
Nossos corações nunca estiveram partidos

E o tempo está congelado para sempre


Imagem - Sandro Andrade


O sol quando se esconde
Revela uma noite fugaz,
E um beijo se perfaz em meio
A 6º avenida.

Os braços apertam os corpos,
Os olhos vislumbram as faces cristalizadas.
As narinas sentem o cheiro; o perfume
Que perturbará alegremente e dolorosamente
A mente.

Você, tantas vezes amênico, tantas vezes imprescindível.
Rasga o início do que não era nada.
Eu, tantas vezes reles, tantas vezes depreciada.
Eu, tantas vezes apaixonada, tantas vezes inadequada,
Empresto-te, por um minuto, o hálito da vida.

E em meio aos seus olhos, céu sem estrelas,
Eu me torno prisioneira da 6º avenida de nossas vidas.

Um comentário: