19 julho, 2015

O Cientista.


Ninguém disse que seria fácil
É uma pena nos separarmos
Ninguém disse que seria fácil
Mas também não disseram que seria tão difícil

Oh, me leve de volta ao começo ♥♪♩♡❤♪♯


Conto vencedor do 1º Concurso de literatura de Assú - RN

Estou embaixo do chuveiro. As gotas de água batem no meu corpo lentamente. Estou olhando para os meus pés. Vou até o espelho e penteio o meu cabelo cuidadosamente para trás. Ligo a torneira da pia e jogo água no meu rosto, ela se mistura com as lágrimas que não vem. Saio do banheiro e passo pela cozinha. Por um instante tenho um deslumbre dela segurando uma xícara de café, estou com pressa e não reparo. Pego minha pasta e ligo o carro. No caminho até o meu trabalho, olho as árvores, hoje elas estão bastante verdes. “Deve ser primavera”, pensei. Eu não sei bem em que dia estou, porque não tenho mais noção de tempo. Observo algumas crianças brincando no parque.  Reparo em um casal de namorados, eles aparentam serem felizes. Imagino que possuem uma bela história de amor, que talvez eu parasse para ouvir, se não fosse a pressa do dia-a-dia.
Chego ao meu trabalho, não estou atrasado - ao contrário. Nas cadeiras vermelhas ao lado do corredor, rostos sofridos e esperançosos me aguardam. Passo pela senhorita Marta.
- Bom dia Dr. Rafael. – Ela disse cordial.
- Bom dia Marta- Respondo e continuo meu caminho.
       As paredes do hospital são claras, combinam com as pessoas de branco que circulam por elas. Sento na minha mesa e rabisco em um pedaço de papel “Vim para te encontrar, dizer que está tudo bem, dizer que eu preciso de você.” O meu primeiro paciente entra.
- Oi Andrew, tudo bem? Sentiu dores esses dias? – Perguntei inclinando-me para examiná-lo.
A cabeça sem cabelos do menino de doze anos brilha enquanto o examino. Foi difícil contar a mãe dele que o pequeno suportaria apenas mais uns dias de vida. Mas esse é o meu trabalho.
 O dia termina lentamente, pela janela do hospital observo o crepúsculo que se segue. Pego a foto dela da carteira e por alguns segundos a observo.
Passava da meia noite quando a velha poltrona gemeu, então percebi que estava fitando o teto e sentia um prazer enorme em contar as suas rachaduras. Talvez porque eu queria que as horas voassem... voassem - aquela era uma forma de distração. Peguei o papel que havia rabiscado pela manhã e escrevi embaixo “Teu olhar é negro, negro como a noite...”. Era assim que ela definia os meus olhos.
Eu estava encostado na parede, conversando com alguns amigos. Foi quando eu a vi entrando na biblioteca, mexendo em seus cabelos levemente. Entrei logo depois. Ela estava procurando um livro de literatura, me aproximei, mas nada falei, apenas a olhei. Sentia que já a conhecia, mas como? Se aquela era a primeira vez que a via...
 Acordei pela madrugada. “Esse sonho novamente...”. Levantei da poltrona grogue, tentando manter o equilíbrio. “Café” – precisava de lucidez. Resolvo fazer um tour pelos corredores do hospital, então começo a andar com passos curtos e mãos no bolso. “Hoje está tudo tão tranquilo...”, pensei. Nenhuma cirurgia, nenhum paciente de última hora. Já passei dias e noites, horas e horas, e por que não dizer anos, nesse lugar, salvando e perdendo vidas. Odeio confessar isso, mas, há muito tempo minha vida se ressume a esses corredores.
Sento um pouco em uma das cadeiras no canto do corredor, e coloco as mãos sobre o rosto. O silêncio é perturbador ao ponto de eu apenas ouvi a minha respiração. Nesse momento volto a minha juventude novamente, ela passou rápido, e eu nem percebi. Quando resolvo voltar para a minha sala escuto soluços vindos do quarto onde o Andrew está. Deitado na cama segurando uma cruz tosca Andrew soluçava enquanto pequenas lágrimas percorriam a sua face, ele rezava baixinho.
Adentrei no quarto e sentei no canto da cama. Coloquei a mão sobre a de Andrew. O garoto ardia em febre.
- Dr. Rafael é o senhor? – Ele me olhou confuso.
- Sim, Andrew sou eu. O que esta fazendo? – Perguntei.
- Estou rezando para Deus... Para que... – Sua voz falhou de repente, suas expressões faciais contorcidas.
- Dr. Me ajude, por favor! Não me deixe morrer! – Andrew pediu com sua vozinha rouca e doída.
Aquelas palavras me dilaceraram , como se estivessem enfiando uma faca no meu peito lentamente.  O rosto do garoto  contraia-se de dor. Saltei da cama e corri aos gritos por minha equipe médica .
A chuva do mês de julho caía lá fora. Diante de mim, um garoto talvez com poucos minutos de vida. E pela janela uma tempestade, onde se via os raios e se ouvia os trovões.
Minha equipe finalmente chegou ao quarto, todos preparados para mais uma batalha contra a morte. Os batimentos cardíacos do menino se encontravam fracos no monitor. Começamos a dá-lhe choques com o desfibrilador. Ele pulava no leito convulsivamente.  Após a sessão de choques, Andrew soltou a cruz e olhou-me com aqueles olhos grandes de criança. Forçou um sorriso e virou a cabeça. Seus batimentos viraram uma linha reta no monitor.
Passei horas parado diante da janela olhando as gotas de chuva baterem no chão. Assisti de perto todo o tratamento daquele menino contra o câncer, e como eu, ele também morava ali, na casa dos vários cômodos – nosso hospital  não era opção dele, mas para mim foi. Uma mão tocou meu ombro.
- Dr. Rafael, a mãe do garoto esta na recepção esperando pelo senhor. – Marta disse tristonha.
- Obrigado Marta, já estou indo. – Falei baixinho, como se a minha voz pudesse ferir o meu luto, quebrar o meu silêncio. O meu vazio.
Aquele era o momento que eu mais odiava na minha profissão: dar a notícia. Principalmente às mães, ver-lhes o sofrimento misturado a certo nível de esperança quase desesperado. Os olhos marejados. A dor. A destruição da alma de alguém. Era a morte chegando ao meu lado.  
Entrei na recepção segurando a cruz tosca que estava com Andrew. A senhora de vestido azul e cabelos negros mesclados elegantemente com alguns fios brancos levanta-se e me olha assustada quando me aproximo.
- Dr. E o meu filho? - Pergunta-me ela com a mão no coração.
Meu corpo tremia espasmodicamente e minhas mãos estavam geladas. Senti um gosto amargo na boca.
- Infelizmente, senhora... O seu filho – engoli seco - não resistiu. Fizemos o que estava ao nosso alcance – procurei as palavras – Tentamos todos os procedimentos possíveis... Achávamos que iríamos conseguir reanima-lo com o desfibrilador, mas... – A minha voz parou no meio da garganta.
- Então quer dizer que o meu Andrew, Dr ... O meu filho... -  Sua voz falhou no final.
O meu olhar opaco a fez entender. Ambos não queríamos pronunciar a palavra. Senti arrepios em ondas.
- Era dele – Tirei do bolso a cruz do menino e entreguei a mãe.
É impossível saber como será a reação de uma pessoa diante de uma perda em sua vida. Mas ela simplesmente enxugou as lágrimas, segurou firme com as mãos a cruz e pediu que a levássemos para onde estava o seu filho. Penso que há tempo ela se preparava emocionalmente para esse dia. Acho que quando se sabe que a morte vem é um pouco mais fácil aceitar os fatos, as perdas, do que quando ela chega de surpresa. Volto para a minha sala e espero o dia chegar, não falta muito tempo.
Amanhece na cidade, o dia está ensolarado, nada parecido com a tempestade de ontem. A brisa toca levemente as folhas das árvores, e os pássaros cruzam o céu em voos cruzados. Pego novamente a foto dela que está em cima da minha mesa e a olho. Lembra-la dói a ponto de me faltar o ar nos pulmões.
Meu expediente chega ao fim, é hora de descansar. Começo a dirigir. Tudo o que eu queria era ir para casa, volta para ela, mas eu não posso. Então dirijo até o cemitério onde ela esta enterrada. Ajoelho-me em frente a sua sepultura e com a manga da minha camiseta branca de médico limpo a foto dela. Faço uma oração e antes de ir embora deixo para ela uma flor branca, sua preferida.
Sabe hoje eu percebo que são apenas questões da ciência e progresso. O progresso nos consome nos faz questionar...questionar quem somos o que queremos ser. Estamos sempre competindo, em busca de ser o melhor, e nessa trajetória não vemos o que perdemos, do que desistimos para sermos o primeiro. Eu sou um cientista, eu estudo vidas, eu salvo vidas. Mas eu não consegui salvá-la, como tantas outras pessoas. E não consigo estudar a minha própria vida, e é tarde demais para tentar corrigir os erros. Talvez um dia alguém me leve de volta ao começo.




Nenhum comentário:

Postar um comentário