22 dezembro, 2014

O frescor da cigana


Imagem: Mahafsoun

Vi o veneno dourado num frasco alongado, e cintilava, me parecia um chamado silencioso, sinuoso e cheio de volúpia, dizia-me: beba... Tentei resistir, mas já havia me deixado capturar pela beleza e já hipnotizado comecei a sentir a fragrância embutida de uma paixão lasciva que me arrastava mais e mais... Revirei a tampa e senti mais forte e dominante sobre mim todo aquele desejo, tomou minha alma e me arrancou toda a força. Levei o brilho dourado a boca na ânsia de sua doçura ao tocar meus lábios... E num fugaz momento, suspiro e, no menor toque sito o êxtase... Caio entorpecido e sito um arco-íris tocar todo meu corpo, sinto uma enorme leveza...
minha alma silenciosamente me abandona, mas nada mais importa! Fui morto pelo desejo que me consumia, agora consumo-o eternamente!

De: Erick Silva
Para: Sidy Batalha

Nenhum comentário:

Postar um comentário