21 julho, 2014

A Rosa e o Rouxinol


Assim, o Rouxinol apertou-se com ainda mais força contra o espinho, e uma feroz pontada de dor atravessou-lhe o corpo. Terrível, terrível era a dor, e mais e mais tremendo era seu canto, pois ele cantava o Amor que é levado à perfeição pela Morte, o Amor que não morre no túmulo”.
Oscar Wilde

Nenhum comentário:

Postar um comentário