10 maio, 2014

Vênus e Marte, a trágica história de amor.



Hoje li uma historinha de amor, que lindo dirão os apaixonados de plantão. Que trágica direi eu, pois,  ao terminar de ler a historinha de amor da mitologia grega entre a  deusa do amor Vênus e o Deus da guerra Marte, percebi que sou de Vênus, ou sou Vênus?
Sabemos que existe aquela velha história de que mulheres são de Vênus e os homens são de Marte, não sei se isso é verdade, mas sei que posso me comparar em alguns aspectos a Vênus.
Vou resumir a história para vocês...
Marte apesar de bárbaro e cruel tinha amor por Vênus. Ele ficou encantador com a sua beleza e apaixonou-se por ela. Já Vênus era infeliz, casada com Vulcano o Deus do fogo. Marte e Vênus, estes se encontravam constantemente até que o Sol, Apolo, o Deus que tudo via, contou a Vulcano que sua mulher o traía. Vulcano enraivecido confeccionou uma rede de ouro invisível e armou uma armadilha para os amantes. Assim, quando foram consumar mais uma vez o adultério, Vênus e Marte ficaram aprisionados ao leito e Vulcano trouxe todos os Deuses para observar a vergonha de Vênus. Ao serem libertados, Vênus esperava que Marte assumisse o seu amor, e mesmo expulsos do Olimpo fossem vagar pelos cantos da terra juntos. Porém, Marte frustrou a Deusa abandonando-a. Vênus, a deusa do Amor, transformando seu amor em ódio, rogou uma praga para que Marte se apaixonasse por todas as mulheres que visse, tornando-se assim um Deus constantemente apaixonado e agressivo que tomava as mulheres a força quando essas não cediam à sua sedução. 
Encontramos neste mito o Arquétipo do masculino e do feminino: a mulher sempre desejando ser amada mesmo diante de situações mais difíceis, enquanto o homem não consegue assumir o amor que sente, procurando afogar suas paixões se entregando a outras.
História trágica?
Como disse Camila Valente:
A mitologia diz que o Deus Marte tem o amor da deusa Vênus e dessa relação nasce o filho Cupido…e o resto, a história conta. O que não se conta (e eu decidi inventar) é que o filho desse casalzinho aí,  foi ficando míope ao longo das eras e saiu flechando os corpos mais aleatoriamente estranhos nesse mundão.Porque não é possível que a gente tenha esse gosto tão duvidoso quando se apaixona. Tá aí, acho que é isso mesmo.  A grande verdade sobre a paixão é quase um diagnóstico médico: o cupido é vesgo.

5 comentários:

  1. Você é canceriana, como eu...Isso explica tudo,rsrsrs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cancerianas, sempre sensíveis e sonhadoras. Beijo grande, minha querida :D

      Excluir
  2. Eu li ontem o poema do Leminski, "Quando nos Vênus, juro a Marte", além das palavras homônimas homófonas descobri que Vênus e Marte foram amantes. Achei fantástica essa sacada do poeta e vim pesquisar...
    Sensacional ! Preciso ler a historia completa.

    Amei suas comparações, que pra mim, fazem todo o sentido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, pela sua mensagem. Adorei ler. Um beijo grande. :D

      Excluir
  3. Doutora Sidy Batalha, foi com você, que eu conheci essa história, só que minha visão é outra, a vida em Marte foi exterminada, e já temos o culpado, tanto é que estão encontrando semelhanças entre os dois planetas. "noticias.terra.com.br/ciencia"
    ==> será complementos p/ blog futuro <===
    http://aubrey-williams-01.blogspot.com.br/2017/10/coletanea-geral-indice-geral-sergio.html

    ResponderExcluir